Em evento do Ibracon, presidente do CFC fala sobre o momento atual da profissão

Por Maristela Girotto
Comunicação CFC

A “Visão do regulador sobre o atual momento da profissão contábil no Brasil” foi o tema da 20ª edição do evento Ibracon Talks, realizado na manhã desta sexta-feira (24), por iniciativa do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon). O evento on-line contou com a palestra do presidente do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Zulmir Breda.

O presidente do Ibracon, Francisco Sant’Anna, fez a abertura do webinar e destacou a importante gestão que o CFC tem feito na defesa da profissão e de sua capacidade de, efetivamente, contribuir para a economia e a sociedade brasileira. Antes de passar a palavra ao presidente do CFC, Sant’Anna lançou uma pergunta aos participantes do evento: Você acha que a formação dos profissionais deveria incluir aspectos de tecnologia da informação? A resposta veio ao final do evento.

A realidade da profissão e as perspectivas diante da atual pandemia de Covid-19 foram abordadas por Breda, que, incialmente, fez questão de ressaltar a fértil parceria do CFC com o Ibracon, além de outras entidades, como a Fenacon e o Sebrae Nacional. “Neste momento, mais do que nunca, o papel das entidades tem sido fundamental para auxiliar a classe a atravessar as dificuldades impostas pela pandemia”, disse.

O presidente Zulmir Breda destacou ainda a cooperação técnica do Ibracon ao CFC, para a melhoria da qualidade das normas e de outros aspectos relacionados à profissão, uma vez que o Instituto possui representantes de vários grupos técnicos e comissões do CFC. Essa parceria, segundo Breda, possibilita também uma participação mais efetiva da classe contábil brasileira em importantes entidades do cenário internacional, incluindo representantes na International Federation of Accountants (Ifac), no International Accounting Standards Board (Iasb), na Associação Interamericana de Contabilidade (AIC), entre outras.

Em seguida, Breda apresentou os principais projetos e programas em desenvolvimento no CFC, especialmente nas áreas Técnica, de Fiscalização e de Desenvolvimento Profissional. “Estamos começando agora a revisar a Resolução CFC nº 560/1983, que trata das prerrogativas profissionais, pois essa norma apresenta defasagem em relação à realidade do mercado atual”, citou o presidente, entre outros exemplos mencionados.

Quanto a questões relacionadas à pandemia de Covid-19, Breda relatou que o CFC criou, já no mês de março, um comitê de gerenciamento de crise, para dar respostas rápidas a diversas demandas que surgiram, seja no âmbito do Sistema CFC/CRCs ou da classe contábil. “Adequamos a nossa estrutura, de forma célere, para que não houvesse interrupção das atividades e prejuízo aos profissionais”, disse.

A prorrogação do vencimento da anuidade; o cancelamento das edições, no primeiro semestre, do Exame de Suficiência e do Exame de Qualificação Técnica; a redução da pontuação exigida pelo Programa de Educação Continuada; e a suspensão das ações de fiscalização ostensiva são algumas das medidas tomadas pelo CFC e mencionadas pelo presidente.

Somando-se a todos os desafios impostos pela pandemia, segundo Breda, o site do CFC sofreu, no dia 13 de maio, um ataque cibernético que atingiu severamente vários sistemas e servidores do Conselho. “A tecnologia nos traz muitos benefícios, inclusive possibilitando que continuássemos trabalhando remotamente, de forma imediata, assim que a calamidade pública foi declarada. Porém, há uma realidade de ameaças digitais com a qual temos que lidar”, afirmou.

Apesar disso, de acordo com Breda, o CFC, com o apoio dos CRCs, não se descuidou da tarefa de fornecer suporte aos profissionais diante das dificuldades trazidas pela pandemia. Ele disse que o fornecimento de informações sobre alterações urgentes na legislação, promovidas pelo Governo federal, foi um dos aspectos mais relevantes nesse trabalho de apoio à classe.

“Desde março, já são contabilizadas 2.848 mudanças na legislação, sendo que 435 normas são de âmbito federal, e os profissionais da área tiveram que se adaptar rapidamente a essas medidas para auxiliar as empresas a manterem suas atividades”, ressaltou o presidente.

Nesse sentido, ele citou a atuação do CFC para ajudar alguns órgãos do Governo na implementação de medidas trabalhistas, entre outras. Segundo Breda, o CFC, as empresas de software e a Dataprev montaram uma força-tarefa para implantar o Empregador Web. “Também mantemos uma comunicação eficiente com a Receita Federal, a Secretaria do Trabalho e Previdência, o Ministério da Economia e a Caixa Econômica”, citou o presidente, sobre ações que vêm sendo realizadas e que se relacionam com a atividade contábil.

Ainda, ele destacou o caráter essencial da profissão contábil durante a pandemia. “Em quase todos os estados, a atividade contábil foi considerada essencial e inserida entre aquelas autorizadas a funcionar”, lembrou Breda.

Quanto à sua visão sobre o futuro da profissão, o presidente afirmou que o conhecimento sobre tecnologia será imprescindível, mas, somado a isso, será necessário o domínio de habilidades como liderança, pensamento crítico, capacidade analítica e de comunicação, inteligência emocional, entre outras.

Quiz

Entre os participantes do webinar, 79% concordaram que aspectos de tecnologia da informação deveriam ser incluídos na formação dos profissionais da contabilidade. Apenas 1% respondeu que não concorda; e os demais não se manifestaram.